Loiça azul porcelana China século XVIII

Erradamente dita loiça da Companhia das Índias, o nome da rota que a trazia do oriente para o ocidente, a loiça deve chamar-se, porcelana  da China.
"Foi com a primeira viagem de Vasco da Gama, que chegou a Calecute em 1498, contornando a costa africana e assim ligando o Mediterrâneo ao Índico oriental por via marítima, que os primeiros pratos de porcelana da China viajaram nos porões das naus da coroa portuguesa. “Vasco da Gama sabia do valor comercial desta louça – a pouca que chegava por terra e era vendida na Europa era para uma elite mesmo muito rica -, como sabia do valor da seda e das especiarias. Sabia ao que vinha e percebeu de imediato o valor comercial da porcelana. Foi o primeiro a trazê-la por mar.”
Na Idade Média, já havia pratos como estes a chegar à Europa mas vinham com a Rota da Seda, e eram depois distribuídos a partir de Alexandria e Veneza. Chamavam-lhes louça da Índia. “Depois, durante praticamente todo o século XVI, são os portugueses que a comercializam em grandes quantidades, procurando eliminar todos os intermediários e distribuindo-a pela Holanda, França e Espanha, mas também pela África Ocidental, graças às ligações de D. Manuel ao rei do Congo, e mais tarde pela América do Sul e Central. Este é o verdadeiro negócio da China.”
Um negócio que coloca pratos como estes à mesa da elite europeia, com os de maior dimensão como “peças de aparato”, usados em ocasiões de festa. “Esta porcelana é de grande qualidade e, por isso, não é de espantar que chegue até nós com estes vidrados impecáveis, praticamente sem falhas. Tem 500 anos de garantia.”
Com a porcelana nos porões, ao lado da pimenta ou da canela, as expedições portuguesas ao oriente fizeram a primeira globalização desta louça chinesa, uma globalização que abriu a porta a outra – a que levou às Américas, à África ocidental e ao norte da Europa, a partir do início do século XVII, a faiança produzida em Portugal mas feita “à feição de porcelana da China”.
Tacinhas que ofertei à minha filha; uma em grés, e mais quatro de tamanhos diferenciados, todas assinadas, um encanto, as desta época ÁUREA, século XVII(?) 
Em Azul sobre Ouro não há exemplares portugueses de faiança mas é simples estabelecer uma ligação entre essa produção e a colecção dos Lencastres, dando um pulo às galerias da exposição permanente inaugurada no Museu Nacional de Arte Antiga , Azul sobre Ouro, reúne 58 pratos de porcelana chinesa de uma colecção rara que pertence ao Palácio de Santos, casa de reis e da alta nobreza que desde o início do século XX pertence ao Estado francês, que ali instalou a sua embaixada. O acervo que tem 263 peças e que está habitualmente exposto de forma pouco convencional – encastrado num tecto piramidal com uma moldura em talha dourada – sai agora pela primeira vez do palácio, onde está há 330 anos. “O edifício teve obras estruturais entre 1667 e 1687 e a montagem data dessa altura”. “O que agora foi descoberto é que, muito provavelmente, a montagem da colecção foi feita no chão e só depois a pirâmide foi posta no seu lugar.” Os pratos, alguns com 500 anos, têm uma estrutura metálica a prendê-los ao tecto e estão “em, óptimo estado de conservação, sobretudo se tivermos em conta que sobreviveram a um terramoto”, diz uma responsável pelas colecções de arte oriental.
“Sabemos que os oleiros de Lisboa, mal chegam os primeiros pratos de porcelana por via marítima, começam a tomá-los como modelos”.
Mas, como o fabrico da porcelana (argila, com uma mistura de minerais - caulino e feldspato – e depois vidrada) permanece um segredo que missionários e comerciantes tentaram descobrir, em vão, durante muito tempo, as cópias que produzem são em faiança (barro fino vidrado)."
A cerâmica chinesa produzida após o século XVIII tem sido vista apenas como hábil imitação dos modelos antigos.
A minha penúltima aquisição loiça século XIX (?)
Duas tacinhas  em tamanhos diferenciados com os pires. No motivo cantão


Pratos produção século XVIII(?)
 Os meus singelos pratos de textura fina, leves. O típico motivo de cantão oitavado, impecável
 Motivo campestre e figurativo, apresenta ligeiro "cabelo", oitavado com recorte
 Motivo floral com rebordo recortado, ligeiras esbeiçadelas no rebordo

Fontes
http://www.publico.pt/

Comentários

Postagens mais visitadas