terça-feira, 13 de novembro de 2012

Dúvidas da faiança de Coimbra e Alcobaça


Hoje apresento exemplares que sobre eles recaem dúvidas ao centro de fabrico: Coimbra, Alcobaça ou Vilar de Mouros porque todas pintaram temas de casario.
Este prato apresenta influências na pintura de Coimbra pelo barro avermelhado, no séc XIX haviam a produzir loiça na cidade 14 fábricas 7 em barro branco, e o mesmo número de barro vermelho. Também pela decoração que apresenta ao meio um círculo duplo, em azul claro, e um filete no limite do covo, na aba flores vermelhas com cartelas com traços verdes  ao alto e no rebordo um filete fino a ocre.
Taças de fabrico Coimbra (?) no tardoz refletem no vidrado a cor amarelada, caraterística duma determinada época.
Prato de grande dimensão pintado a estampa a manganês ,com a aba em tom amora  nas contas e filete que delimita o bordo, esmalte amarelado cor de grão, numa produção típica de Coimbra (?)
Bacias  em faiança "ratinha"  produção de Coimbra 
OAL da minha coleçã
Cortesia de Ivete Ferreira
Em tempos divaguei sobre a produção de faiança por terras de Alcobaça. Volto a insistir no tema por alteração do post inicial ao qual retirei matéria para numa  posterior fase voltar a abordar o tema - o que faço hoje.  
O José Reis pintor, e comerciante de faiança em Coimbra, na altura do Marquês de Pombal rumou a Alcobaça onde abundava o barro branco de 1ª qualidade - matéria-prima que conhecia bem  - usado em Coimbra, chegava em carga de bestas trilhando maus caminhos sendo transacionada como material de comércio, na volta levaria carga de loiça - forte probabilidade que deu frutos à transferência do seu posto de oleiro de Coimbra para Alcobaça. 
  • Segundo informação do blog :http://www.valadofrades.com teria "arrendado umas instalações a José Rino, numa cavalariça de uma casa senhorial junto à ponte D. Elias, e aí surgiu a primeira fábrica de cerâmica de que se tem conhecimento em Alcobaça.
As marcas "Alcobaça" e "15/8/75" são inscrições que se encontraram num prato referido por José Queirós na sua Cerâmica Portuguesa - num outro feito para uma exposição em 1925, também o ano de 1875 vem referido como sendo a data de fundação.

 Santo António produção Coimbra ou José Reis Alcobaça?
Cortesia  da banca do amigo Adriano Maia
A minha amiga Isa Saraiva comprou no norte um prato semelhante assinado Viúva A. Oliveira de Coimbra
O tardoz com dois fretes é tipico da produção de Aveiro e não de Coimbra. O que levanta a questão de algum pintor ter trabalhado na fabrica de Coimbra e se ter deslocalizado para Aveiro, continuando a por a marca de Coimbra, o que também aconteceu com outro pintor que se deslocou para a região de Leiria e o fazia, dito por um neto.
Apresento esta terrina em faiança com motivo decorativo - paisagem e casario pintada a  verde ervilha - na tampa faltam-lhe dois pedaços - como se constata na foto - um de cada lado. Comprei-a na feira de Setúbal à D. Guida - trazia um espólio diverso onde havia uma travessa oitavada que postei há dias - tipo minimalista, ainda outra em cantão popular nitidamente de fabrico de Coimbra. 
Agora o que me intrigou nela foi a impressão do número - 2 - no fundo da terrina. O que pode evidenciar a origem de fabrico (?) 
  • Acontece que tenho outra terrina sem tampa que tem gravada a numeração - 1 - esta última apelando ao motivo, e pintura atesta fabrico de Coimbra. A curiosidade no caso pode sugerir polémica. 
Será que José Reis enquanto pintor de Coimbra na fase final antes da deslocalização para Alcobaça imprimia nas suas peças a numeração - 1 -  e depois em Alcobaça passou a imprimir o número - 2 (?) 
Pertinente a observação  tal como a cor utilizada não ser habitual na pintura de José Reis - daí a ser verídica - debate para o estudiosos. Só constato particularidades, nesse pressuposto avento hipóteses:
A terrina será produção de Coimbra ,Alcobaça  ou Vilar de Mouros ?
Todas pintaram este motivo em verde ervilha.
Esta terrina apresenta gravado na massa em relevo o nº 2 e na terrina de baixo o nº 1
  
Esta terrina é fabrico de Coimbra
Outras peças retiradas da net
Pode ser fabrico de Coimbra(?)Semelhança ao meu pratinho da minha coleção atribuído a Coimbra(?)
Coimbra(?)                        
Gaia ou Coimbra(?)
Pratos da minha coleção
Um em policromia e o outro a dois tons;verde e rosa de Coimbra(?)
Pratos o 1º  Coimbra 
O 2º Alcobaça (?)

Coimbra(?)
Exposição do Museu de Alcobaça Dr. Jorge Sampaio
Bacia e jarro. Colecção Dr Luís Pereira de Sampaio 



  

Pratos, um deles com marca sinete incisa na pasta. Colecção Luís Pereira de Sampaio

   Prato pintado à estampa. Colecção Coronel Bivar de Sousa


                          Prato da minha coleção

Marcas da faiança de Alcobaça retiradas de - http://www.valadofrades.com
Segundo informação do site mencionado passo a transcrever - "A produção de José Reis - ia desde a loiça pintada até à estampilhada, empregava como base o barro branco da região, que provinha de uma quinta pertencente à família Pereira dos Capuchos, foi, durante quase um século (até à década de sessenta), a matéria-prima da cerâmica produzida em Alcobaça. Existem pouquíssimas peças marcadas conhecidas, e as que não o são podem confundir-se com as de Coimbra. Os motivos decorativos mais conhecidos são paisagens com casario e árvores ou então flores, a preto, azul ou cor-de-rosa." É notório a grande testemunho de influência e tendência Coimbrã incutida nas suas peças em Alcobaça. Razão pela qual só pelos detalhes se consegue com alguma fidelidade atestar a origem de muitas peças - tal a semelhança.
Fabricou desde loiça ordinária à fina, pintada à mão e estampada, para utilização doméstica. Os motivos decorativos eram de inspiração rústica: flores, frutos, animais domésticos, cenas da vida rural, lendas populares. Além de peças de uso doméstico: travessas, pratos, terrinas, xícaras, tigelas, saladeiras, também se fizeram outras de utilização mista ou decorativa: garrafas de forma humana ou animal e pratos de parede.
  • Analisando algumas peças concluí haver uma predominante pobreza da estampagem da cercadura do rebordo (talvez pela exuberância da pintura central) (?) Quanto à grossura da massa e ao peso das peças - difícil será atestar em tantas que já vi - porque em Alcobaça o José Reis fabricou peças finas e grosseiras.
José Reis viveu até 17 de abril de 1898. A  filha dele após o falecimento do pai arrendou a fábrica em 1900 com notícia no jornal local a 7 de outubro a Manuel Ferreira da Bernarda. A primeira fornada saiu a 7 de Novembro desse ano, conforme foi registado num prato pintado por J. Pequeno (nome pelo qual era conhecido o dirigente da fábrica, José dos Santos). No verso do prato é referido o facto de ser a primeira peça pintada por conta de Manuel da Bernarda. Apresenta uma pintura de folhagem larga em tons de azul, a zebre, castanho, tendo no centro um retângulo com uma inscrição semelhante à loiça coimbrã.
No princípio do século trabalhavam na fábrica oito operários enquanto na direção tomava parte Silvino Ferreira da Bernarda, filho mais velho do proprietário, uma vez que seu pai se dedicava à construção civil, não tendo tempo para se dedicar aquela.

Esponjados Coimbra ou José Reis Alcobaça(?)
               
pratinho esponjado sétia





A fábrica de Manuel da Bernarda era conhecida por Fábrica de Alcobaça como, aliás, aparece nas suas marcas. Desta fábrica, hoje...resta a recordação e, peças em colecções particulares! 





0 meu prato decorativo. Não sou fã desta loiça, pela exuberância do azul- nalguns casos chega ao berrante...desculpem - contudo gosto de algumas peças, nomeadamente deste prato pela elegância contorneada da aba, do desenho miúdo e da palete de cores.

Em jeito de complemento a oiro: Ivete Ferreira - para quem não sabe foi a investigadora da "coleção ratinha" do Museu Cargaleiro em Castelo Branco. Muito recentemente o Museu editou um catálogo sobre este tema com textos seus para Tese de Mestrado sobre a faiança ratinha, o último do género ocorreu há coisa de 20 anos, e que muito honra os amantes da faiança. Teve a gentileza de me enviar algumas fotografias com as marcas de José dos Reis e de Raúl da Bernarda, bem como de uma peça publicitária, em que é nítida a "marca ratinha" - que muito me honra a sua ajuda.
 
A cerâmica faz parte da vertente industrial de Alcobaça, e por décadas foi sem dúvida quase a única e de certeza a maior empregadora.
Problemas colocados na última década levou ao seu desbaratamento e hoje...não existem!

Na faiança de Alcobaça e da de Raúl da Bernarda, encontram-se nítidas influências de outras fábricas, do norte a Sul de país.
Sem esquecer os pratos TI Mila vendidos nas feiras( a vendedora deu o nome aos pratos)
A loiça azul que muita gente não aprecia, de certa forma descredibilizou ALCOBAÇA.Sendo que há belas peças.
PARA QUEM QUISER SABER MAIS - http://www.alcobaca.pt

CLARO QUE FICA MUITO AINDA POR DESCOBRIR E MOSTRAR - O MAIS FASCINANTE!

2 comentários:

  1. Olá, Boa noite.
    Encontrei há dias o seu site que muito apreciei, uma vez que sou apreciadora de velharias, sobretudo faiança.
    Finalmente encontrei uma terrina muito semelhante a uma qwue comprei há muitos anos em Beja: a sua terrina verde, que julga ser Coimbra ou Alcobaça.
    A minha parece ter as dimensões da sua, a mesma cor. O motivo casario é diferente. Tem um 3 em alto relevo marcado na base. Nunca soube a sua origem.
    Obrigada pela seu blog, que nos permite "conhecer" pessoas que dão a conhecer o que de velharias se vai encontrando, possibilitando que "da escuridão nasça a luz".

    ResponderExcluir
  2. Cara anónima, acabo de chegar de férias sem computador... muito obrigada pela cortesia da visita e pelos elogios ao blog.Sobretudo pelo remate do comentário que denota uma grande abertura de ver estas coisas pelo meu prima ...da escuridão nasça a luz. Amei.
    Há uma curiosidade-, a sua terrina tem impresso na massa um "3" as minhas tem um "2" e a outra um "1". Não há nada que nos ajude sobre isso.Há quem diga que é a numeração das peças-, não acredito...logo três com a sua com números baixos...
    Se quiser pode enviar-me via email que encontra no perfil a foto da sua terrina para comparar
    Esteja sempre à vontade para perguntar e dar opinião, será sempre bem vinda. Adoro a partilha . Bjo

    ResponderExcluir

Souvenir da Fábrica Cesol de Coimbra

Caneca da Fábrica CESOL de Coimbra anos 50. Pintura monocromática em castanho . Imagem de Nossa Senhora da Rocha dentro de um coração en...