terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Travessa em faiança aba relevada fabrico Devezas (?)

Encontrei por acaso num estaminé de chão  na feira da ladra esta travessa que me foi vendida por duas amigas que faziam dinheiro, era pertença da mãe.
  • Não que fosse importante comprar, não foi paixão, mas o costume para a estudar.
Apresenta-se com a aba dividida em cartelas relevadas e rebordo ondulado.
Esmalte do vidrado muito brilhante e branco translúcido pelo uso do chumbo.
Motivo floral central  com flores de hebísco em destaque, rodeado de outras em azul, de linho, ornado com folhas de agrião, pintadas em vermelho, em vez de verde.
Há anos comprei esta travessa com a aba martelada(?) também em cartelas, mas diferente da hoje apresentada, ainda assim inovadora e semelhante, e com isso a dúvida do seu fabrico ser Coimbra ou norte (?).Com o passar do tempo o fabrico a Coimbra foi aposta pela elegância da pintura, da folhagem fina azul, e das pintinhas em preto que saem da flor -, a dúvida persistia na cor do vidrado que me catapultava para a fábrica Cavaco (?) -, mas depressa percebi que teve haver com a alta temperatura da cozedura, até porque se nota ligeira diferença da pintura da aba no contraste do vidrado do bojo, o mais certo.
Esta será fabrico de Coimbra ou norte (?)
Travessa com  aba relevada e decoração folhas de agrião que retirei foto do OLX, fabrico Devezas(?)
Travessa da minha coleção na mesma decoração fabrico de Coimbra(?)
Grande prato da banca de do colega Carlos, gentilmente me deixou fotografar. Tem a particularidade na aba depois da lista cor de rosa, apresenta um quadro da mesma cor, e dentro dele as iniciais  "C" uma igreja com torre pintada seguida da letra "I".
  • Para mim se faz claro que é produção de Coimbra, o pintor quis enaltecer o Convento de Santa Clara em Coimbra, e  nele ter vivido a Rainha Santa Isabel.
O que me parece é que esta travessa poderá ser fabrico Devezas século XX. O Que me espanta é mesmo o esmalte branco translúcido e as folhas de agrião pintadas a vermelho, quando sempre as vi pintadas em  várias tonalidades de verde.
Tardoz muito branco, homogéneo e translúcido
OLX retirei esta bacia  decorada a marmoreados típico do norte onde houve uma fábrica que executou marmoreados,  e folhas de agrião em azul da mesma cor das flores de linho, mas de barro vermelho.
Travessa que retirei a foto da minha última aquisição livrista "Cerâmica Portuguesa da Monarquia à República" que atribui a Coimbra, ao inicio século XX por altura da implantação da República.
A aba tem muitas semelhanças e o rebordo também é recortado, só o vidrado se mostra mais opaco por terem usado mais estanho. O chumbo fornecia a fusíbilidade e o estanho a opacidade branca do vidrado, tudo isto a cozer em forno de lenha a baixa temperatura (950-1000ºC) segundo o meu bom amigo Jorge Saraiva.
Ora este esmalte nada tem haver com o da outra travessa que é bem branco e translúcido
Em Coimbra e na região envolvente, houve muita fabrica a laborar até meados do 3º quartel do século XX o que originou na continuidade o copianço das tecnicas e decorações ,  não estando as peças marcadas apenas as podemos com os dados disponíveis destacar na atribuição à região pelas evidências mostradas se revelarem fortes e determinantes até outras mais credíveis, as destronar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Souvenir da Fábrica Cesol de Coimbra

Caneca da Fábrica CESOL de Coimbra anos 50. Pintura monocromática em castanho . Imagem de Nossa Senhora da Rocha dentro de um coração en...