Faiança com casario em verde com marca "3" de Coimbra (?)

Comecei por namorar esta terrina sem tampa numa loja de velharias , para mal dos meus pecados de porta fechada em vários dias...Até que numa tarde de sol , triste em jeito remediada, na solidão, passei de novo estando a porta aberta entrei, e a comprei.
A decoração em tom monocromático verde  e aguada desmaiada apresenta-se no casario  em perspetivas várias: telhados de apenas uma água e com duas, vistos de frente e de lado , envolto por arvoredo do lado direito, e palmeiras do lado esquerdo, sob rodapé esponjado.
Poderá ser fabrico finais do século XIX de José Reis  Alcobaça (?) atendendo às semelhanças da aguada do rodapé da vegetação à esquerda e outras.
Foto de um prato da coleção do Dr.Jorge Sampaio
Uma nota a destacar: nesta terrina o pintor vincou os ramos da árvore e na de cima não
As pegas decoradas na dupla de filetes em paralelo e um traço sobre elas na meia altura. Rebordo do bojo da terrina e do pé debruada com filete fino.
Interessante é constatar que a peça foi inicialmente passada num esmalte branco -, notório junto das pegas os escorridos, depois mergulhada noutro esmalte que chamo cor de grão para lhe dar aspecto que se conhece na faiança numa determinada época.
Curiosamente no fundo tem impressa na textura da massa o algarismo "3" seguido de três pontinhos, como se fossem reticências...
Pois sobre a numeração nada sei. O que sei tenho outras duas terrinas, aparentemente com o mesmo motivo de casario com envolvências diferentes , sendo que uma tem gravada na massa o nº "1" e a outra o nº "2". Tema que nos pode levar a conjeturar hipóteses...
Possivelmente será a diferença no motivo a atribuição da numeração...Acho que não. Numa feira vi uma  quarta terrina, completa, maior que as minhas três, tinha impressa o nº "1" motivo pintado a azul .
  • Pois não sei explicar, e esta última aquisição ainda por cima com as reticências...
Da net retirei esta foto, apesar da paisagem ser diferente, a cor  do esmalte e os traços nas pegas  e no pé são iguais
Pega tipo flor de liz
 Parte da coleção do Museu Dr Jorge Sampaio em Alcobaça com peças atribuídas a José Reis
Há muita semelhança no desenho com esta terrina.
Ora fico dividida sobre o  fabrico , pelo menos a minha  terrina por ter impressa a numeração aventa ser já elaborada em fábrica feita  por molde e não olaria(?) .
Será que  José Reis  em Alcobaça  já assim trabalhava ?
Esta última terrina o rodapé apresenta-se em bicos como em Coimbra se pintaram e noutras fábricas como Miragaia e Cavaco.
Fabrico de Coimbra (?) a minha pelas evidências do barro vermelho  e do esmalte amarelado e a da  net,  José Reis Alcobaça(?),  tempo o dirá!

Comentários

  1. Boa noite,

    Peço desculpa por incomodar mas tenho andado a pesquisar na internet sobre a Fábrica de S. Roque - Aveiro, a propósito de umas peças - 1 Jarro e duas vasilhas, supostamente a fazer as vezes de copos - que um amigo me trouxe de manhã, dizendo que tinha gostado delas e por isso as comprou numa dessas feiras ditas de "velharias" que abundam por estes tempos. As ditas peças têm marcado no tardoz "S. Roque - Aveiro", e no meio o desenho da "cabaça" que, nas pesquisas que fiz, já me apercebi ser característica daquela manufactura de louça.
    Porém, não consegui, e já percorri dezenas de páginas da net, inclusivamente fiz exaustiva pesquisa por imagens, encontrar qualquer peça semelhante às que aqui tenho, quer na configuração, quer na decoração - uma caravela portuguesa (ou nau...), em primeiro plano e em fundo mais uns três outros barcos à vela... A parte inferior das peças, tanto do jarro como dos copos, tem uma decoração relevada na própria cerâmica, como que a imitar as ondas do mar... O bordo do jarro bem como a parte externa da asa e o bordo dos copos são em dourado...
    Nas pesquisas que fiz deparei-me com este seu blog que me apaixonou! E, foi por isso também, que tomei coragem para lhe solicitar possíveis informações sobre estas peças, se são de fabricação mais recente ou mais antiga... sei que existiram duas "S. Roque" em Aveiro... mas de facto não sei mais nada sobre elas... Agradeço desde já toda a informação que me puder facultar e mais uma vez as minhas desculpas pela ousadia.
    M. Rosário
    (Gostaria de incluir foto mas não sei como o fazer...)

    ResponderExcluir
  2. Cara M.Rosário só agora regressada de férias onde não tinha net vi o seu comentário, que desde já agradeço a cortesia da visita. O motivo da nau ou caravela com a Cruz nas velas foi vastamente pintado por muitas fábricas a mando de Salazar, na evocação da glória dos Portugueses nos Descobrimentos. Ainda há 2 meses vendi uma grande jarra com esse motivo da fábrica Outeiro de Águeda. Envie por favor as fotos para o e-mail Isacoy@hotmail.com, será mais fácil apreciar e opinar sobre as suas peças.
    Bem haja
    Cumpts
    Isa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas