sexta-feira, 1 de maio de 2015

Faiança berrante de Coimbra(?)

Troquei uma grande boneca  tailandesa ou vietnamita a quem já faltava o pau a fazer de balança de segurar os cestos, em cerâmica popular com 40 anos, por este prato na feira de Figueiró dos Vinhos.
Não que seja amante deste tipo decorativo de cores berrantes (?) mormente do azul dito alecrim, que em Coimbra, se começou a pintar na fase tardia da loiça ratinha, já no século XX.
Supostamente estas cores deram origem à produção em massa da OAL em Alcobaça e congéneres (?) infelizmente muito desvirtuada neste agora, muito pelas variantes da pintura azul forte, no entanto aparecem algumas peças mais requintadas em que se mostra graciosa.
 O prato junto  das capuchinhas na minha jarrinha "casca de cebola" que apanhei na descida do Cristo Rei
Pintura a estampa ou stencil. Ao centro um anel largo em azul alecrim debruado a preto, no mesmo ao limite do covo e no rebordo, sendo neste o filete azul alecrim mais estreito. Do centro irradiam florões a grená, que se entrelaçam noutros mais finos em azul alecrim, verde ervilha e outros em amarelo. A aba alterna com flores em amarelo e outras em grená, com folhagem verde ervilha.
Esmalte muito brilhante cor de grão a chumbo estanífero.O que revela não ser uma olaria qualquer, nem tão pouco pequena. No tardoz apresenta tonalidade amarelada.
 Por hora destronou outro prato na estante.A minha filha veio almoçar no dia que o meu neto celebrou 6 meses, logo distinguiu o prato no móvel que achou bonito numa panóplia de uns 70...
De fato irradia um brilho inconfundível de uma determinada época, que tenho outro com andorinhas assim igual e, ainda mais outro com flores, que neste agora não tenho comigo, mas mais tarde irei registar novas fotos e colocar aqui 
Hoje as fotos não se revelam  no seu melhor, não exalam o brilho da faiança...

4 comentários:

  1. Queridos amigos e amigas.
    Ando cuidando da saúde e de tentos afazeres que não nos deixam, mesmo quando precisamos tanto sossegar. Mas é a nossa vida.
    Por isso sem o devido tempo para as postagens dos amigos e sem ânimo e motivação para as próprias.
    Mas estou recomeçando com uma postagem de Cerâmica Portuguesa. Talvez Bordalo.
    Então voltarei aqui, se a Providência o permitir, para uma visita agradável e com o devido olhar e atenção que cada postagem de vocês merece.
    Até.
    Um abraço.
    ab

    ResponderExcluir
  2. Caro Amarildo, muito obrigado pelo carinho e preocupação em se manter ligado a amigos amantes dos cacos e afins, deste lado do Atlântico. Espero que a sua saúde se restabeleça rapidamente, que não seja nada de grave.Vou ver o seu blog. Agora com o meu neto também tenho menos tempo para estas andanças.
    Faço votos de rápidas melhoras.
    Um abraço
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso! Adoro este tipo de faiança, estas cores (mesmo berrantes), o branco do vidro...
    Parabéns pela troca.
    Um abraço,
    Carlos Martins

    ResponderExcluir
  4. Caro Carlos Martins, bem haja pela continuidade, estou em falta na resposta do email, sei! Afazeres com o meu neto. Há muito que queria comprar um prato destes, aparecem ciclicamente. E a boneca era um mostrengo...
    O chamar-lhe em cor berrante, seja a antítese da alegria apesar da pobreza da gente operária da olaria-, homens de cariz aberto e bem disposto, a meu ver deviam sentir prazer ao pintar estas cores fortes ditadas pela sua criatividade ingénua ditada pelo coração quente e afetuoso.
    Um abraço
    Isabel

    ResponderExcluir

Souvenir da Fábrica Cesol de Coimbra

Caneca da Fábrica CESOL de Coimbra anos 50. Pintura monocromática em castanho . Imagem de Nossa Senhora da Rocha dentro de um coração en...