domingo, 16 de fevereiro de 2014

A Fábrica de Sant'Anna

Prato coroado com  as Armas de Portugal da Fábrica Sant'Anna  -,  encontrei-o numa banca no chão de vendedor ocasional.
Assisti ao preço disputado por um cliente que o vendedor não baixou,  naquele pôr e tirar o prato em cima do caixote, eis que caiu ao chão e partiu-se...
  • Acabei por o trazer baratucho, que colei, apenas porque achei piada ao motivo do brasão.
  • Alusivo às comemorações do 2º centenário do início da laboração da fábrica
  •  A última grande fábrica de azulejos e faianças artesanais da Europa
Um azulejo meu  assinado, gosto imenso desta tonalidade mnaganês em esponjados.
  • Peço desculpa pela má qualiddae das fotos.

História da Empresa
Recuando ao ano de 1741, perto da Basílica da Estrela, nas “terras de Sant’anna”, em Lisboa, teve início uma pequena olaria de barro vermelho que nos primeiros anos apenas produzia peças de barro sem qualquer tipo de decoração.

Em 1755 após  o terramoto o azulejo tornou-se moda, muito em parte devido ao baixo preço quando comparado com outros revestimentos como a pedra. A olaria iniciou a produção de azulejos decorativos que viriam a fazer parte da decoração das fachadas de muitos prédios em Lisboa.
Actualmente as suas instalações fabris na Calçada da Boa Hora continua a laborar com as mais antigas técnicas tradicionais portuguesas. 
  www.santanna.com.pt/pt/historia
  • Garrafa antropomórfica com aparência de Dragão  em corpo de mulher -, Aquamanil ou aquamanis. Segundo o livro de Cerâmica do Museu de Arte Antiga trata-se de recipiente usado à mesa para lavagem de mãos . Em geral tem a forma de figura humana, animal ou híbrida.
Compra recente da minha amiga Cristina que agradeço a cortesia da sua mostra.
Supostamente  com a euforia a comprou sem saber que se tratava de uma garrafa, por isso não deu conta da falta da rolha.
Atrás uma enfusa  com tampa de Miragaia de outra amiga Isa Saraiva.

  • As fotos foram as possíveis num jantar em casa de amigos
Confesso gostei da peça pela exuberância das "mamas" altivas em altar que me reportaram para um peça semelhante Bodalo Pinheiro ainda mais exuberante pelas mamas em feitio de tetas de cabra, pintada a cores verde, cerises e amarelos que vi ser vendida na Calda da Felgueira.
Piada neste encontro com três mulheres habituadas de certa forma a velharias, com coleções de faiança -, nenhuma percebeu que se tratava de uma garrafa antropormófica, só se falava no dragão...
GARRAFA ANTROPORMÓFICA DO MUSEU SOARES DOS REIS
  • Hoje ao refletir melhor associei a boca ao gargalo e à falta da rolha.
Culpas do jantar maravilhoso e das bebidas, porque o bolo de chocolate que levei apesar do azar da forma em coração comprada nos chineses...vi jeitos da massa toda se esgueirar  para o tabuleiro...mais pequeno, mesmo assim chiffon.

Souvenir da Fábrica Cesol de Coimbra

Caneca da Fábrica CESOL de Coimbra anos 50. Pintura monocromática em castanho . Imagem de Nossa Senhora da Rocha dentro de um coração en...