segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Prato com esponjados singelos azul e ocre fabrico norte (?)

Prato singelo em esponjados, ainda assim para mim mui belo!
Uma oferta da minha boa amiga Marília Marques.
Sou apreciadora de esponjados e de casarios.
Apresenta-se decorado em azul, alternado com amarelo ocre, o esmalte chama a atenção por ser extraordinariamente branco, a chumbo e banho a calcário?, pesado.
Fabrico do  primeiro quartel do século XX (?) pesado, em barro vermelho, que por ter muitas matérias plásticas, e mais rolado que o barro branco a textura na moldagem da peça apresenta buraquinhos.
Dividida na origem do fabrico entre Coimbra e norte.
No tardoz o friso na aba aventa produção norte(?)
Este tipo de esmalte branco  diz-me qualquer coisa que parece descobri ?
Reparei em Lisboa a caminho da feira da ladra nuns remates do balaústre do telhado com figuras humanas e outros objetos decorativos em faiança , geralmente atribuídos o seu fabrico ao norte a Devezas, Fabrica de Santo António do Vale da Piedade e,...
O que me cativou a atenção foi uma das estatuetas ter perdido o esmalte, com isso apresenta-se nua dele mostrando a cor do barro com que foi feita-, e é vermelho!
Depois as cores, lembram mesmo pintura do norte, urnas em branco com ornatos relevados a amarelo e o azul parece o mesmo com que pintavam o nome da fábrica em algumas peças maiores de estatuetas e vasos! O que chama a atenção e pode muito bem ser a mesma fábrica onde foi feito o prato, porque o esmalte é da mesma forma brilhante e espetacular.
Retirei excerto do livro de José Queiróz , leiam o rodapé do Charles Lepierre....faiança esmaltada e também de vidrado simplesmente plumbífero, sem estanho,...
Mas também lembra a Fábrica Pereira Valente de Gaia

Esta minha travessa senti  na mesma o mesmo  peso e esmalte branco com banho a calcário?
Mas foi fabricada em barro branco. A barra decorativa pode evidenciar fabrico norte, atendendo a um fragmento encontrado no Porto, que mostro abaixo, já o arvoredo a forma côncava das cúpulas das ramagens lembra Coimbra, porque o casario assim inclinado várias fábricas o pintaram.
O arqueólogo Dr.Paulo Dórdio Gomes, no Porto exumou fragmentos na Cadeia da Relação e outros locais.
Retirei do seu trabalho excerto com fotos dos fragmentos encontrados, descobri com espanto alguns pintados a monocromia rosa , que até hoje nunca tinha visto atribuído o fabrico a Miragaia  (?) e talvez outras fábricas nos arredores, nas imitações dos motivos ingleses Willow Pattern, série País e Flor de Miragaia.
Acho muita semelhança a decoração da aba da minha travessa com a do fragmento acima, sendo os esponjados uma carateristica num determinado tempo  pintados em Miragaia e outras a norte.
O mesmo esmalte nesta terrina
Loiça nacional na imitação da loiça inglesa no motivo shell edged pearl ware, uma forte probabilidade

Em tempos um colega ao arrumar a banca esbeiçou o rebordo de uma malga semelhante a uma destas em rosa, que também nunca tinha visto.
O meu prato de esponjados pode ser fabrico norte, o mais certo!
Fotos retiradas 
http://www.academia.edu/3670099/Faian%C3%A7as_do_Porto_e_Gaia_o_recente_contributo_da_arqueologia._Itiner%C3%A1rio_da_Faian%C3%A7a_do_Porto_e_Gaia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Souvenir da Fábrica Cesol de Coimbra

Caneca da Fábrica CESOL de Coimbra anos 50. Pintura monocromática em castanho . Imagem de Nossa Senhora da Rocha dentro de um coração en...