segunda-feira, 17 de março de 2014

Alcobaça a fábrica OAL (?) numa bela taça

Na minha estadia por terras de Sicó agendei a feira de Pombal. Ao chegar aos Ramalhais entrei num denso nevoeiro como julgo nunca assim antes guiei .Foi um dia de calor abrasador e sufocante!

Há tempos que não a fazia. Felizmente a autarquia ao que vi pela entrega de edital -, supostamente nunca se preocupou em dinamizar o evento e em estabelecer regras só fez eclodir uma adesão de feirantes sem crachá  de coleta sendo que a mesma se transformou no tempo numa feira da ladra onde se vende de tudo. Na feira de abril já não vai ser permitido a venda de roupa em 2ª mão e sapatos...
Esqueceram-se das malas!
Abanquei num passeio lateral com pouca visibilidade, pois a clientela e o publico de "mira e anda" só caminham e miram a direito e pouco para estaminés de chão...
  • Quase fracasso as vendas, já as compras foram ótimas.
Na banca da Luísa encontrei esta bela taça em estado impecável muito decorativa onde a palete de cores explode em harmonia exuberante e forte, seja do azul com o laranja e o verde claro.
Algo me prendeu a atenção que no momento não deslindei. Só ontem domingo na feira de Ansião me lembrei que antes já vi esta decoração numa exposição na FIL julgo atribuída a Alcobaça OAL.

 
  • Faz sentido a atribuição atendendo à qualidade do esmalte, o tardoz é magnifico, apresenta uma ligeira marca de carimbo gravada na pasta(?) e  palete de cores é de um período áureo da fábrica.
  • A minha filha adorou a peça...
Mais adorou os dois covilhetes Sacavém com mais de 150 anos que também comprei, e lhe ofereci, para fazer conjunto com o par de travessas da mesma família decorativa-, flores.Mas claro merece honras de post quando for a casa dela e fotografar as quatro peças.


4 comentários:

  1. Querida M.Isa,

    Vc não imagina o quanto eu gostaria de poder andar a caça netas feiras de ladras ou de santas.

    Por aqui estão cada vez mais esvaziadas. Mas tudo tem seu tempo e tanta coisa tem retorno.

    Quanto aos pratos: Que frutas (ou legumes) seriam estas do prato? Desenhos bem retorcidos que lembram plumas de galos...
    E as flores da Sacavem sempre lindas.

    Acabei de postar sobre 3 bilhas que arranjei por estes dias. Nada de especial mas se Vc souber qualquer coisa delas, sobretudo da que traz os putti, me diga.

    Um abração.

    E vou lhe enviar as perguntas por E-mail. Deixa-me animar-me um pouco.

    Amarildo

    ResponderExcluir
  2. Caro Amarildo muito obrigada pela cortesia da visita e pelo comentário. De fato tem razão.Denota ser perspicaz e de inteligência apurada, porque o post não fala da pintura precisamente para despertar a quem o vê, a leitura que fez-, e isso é o melhor prque se completa o ciclo do post.
    Revela que tanto eu que o faço como quem vem ver está sintonizado no mesmo, por isso a osmose do belo nesta magia que é o gosto pelas velharias que ambos adoramos. Bem haja pelo carinho. Vou já ver o seu blog.
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. "só caminham e miram a direito e pouco para estaminés" gosto desta sua expressão, com a crise não se compra, da-se uma voltinha para encher o espaço. Gosto destas louças.
    Bj

    ResponderExcluir
  4. Caro Manuel Luís. Sim tem toda a razão, a culpa é da crise.
    Mas há peças fabulosas, há que saber fazer escolhas e poupar, Poupo tanto que devo ser das feirantes que mais compro para regalo dos colegas, mal abanco começo a namorar as bancas deles, conforme as vendas, assim me estico nas compras...
    Bj

    ResponderExcluir

Souvenir da Fábrica Cesol de Coimbra

Caneca da Fábrica CESOL de Coimbra anos 50. Pintura monocromática em castanho . Imagem de Nossa Senhora da Rocha dentro de um coração en...