Tampa de terrina em faiança de Coimbra (?)

Comprei esta tampa de terrina de faiança na feira de S. Martinho do Porto na colega Ana Pimenta que não via há muito, e de quem gosto particularmente por ser uma senhora pacata que conheci há mais de 8 anos na feira de Setúbal.

A decoração  da tampa da terrina sugere no imediato a sua  dúvida quanto ao fabrico:
Coimbra ou  Alcobaça, pelas velas do moinho e pega.
Probabilidade do seu fabrico ser do início do século XX.

Ao limpá-la deparei num pormenor que pode esclarecer a dúvida. 
A tampa foi feita com barro de mistura (branco e vermelho) , vê-se uma esbeiçadela num canto em tom avermelhado.
  • Sabendo que os barreiros de Alcobaça eram de primeira categoria -, nunca podia ter ali sido feita(?). Uma das condições primeiras na análise de faiança é saber-se a proveniência dos barreiros para o seu fabrico.
  • Se acrescentar a palete de cores, amarelo antimónio e o castanho, aventam hipótese para Coimbra.

 A decoração "casario" em manganês, sobreposta com as velas de um moinho em amarelo igual ao rodapé do desenho ladeada por árvores verdes, nos cantos  apresenta um ziguezague a vermelho como era hábito fazerem no Cantão Popular .

Comentários

  1. Que linda a imagem pintada nesta tampa! Fico aqui sonhando como seria a sopeira inteira, pois se apenas a tampa já é esta beleza toda. Parabéns pela aquisição.
    b'jinho
    Fábio

    ResponderExcluir
  2. Caro Fábio muito obrigada pelo seu comentário.
    Quando a vi na banca disse logo para me a guardar que na volta a levava...e assim foi.
    É uma peça muito alegre, as cores são magníficas.Tem razão a sopeira devia ser um espanto por isso a partiram...

    Beijo
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. Olá Maria Isabel,
    Pois a sopeira, deve ter sido vingança, "não serás para mim, não serás para ninguém, zás"...
    Pois é uma pintura muito livre, muito bonita e fora do vulgar.
    Bjo, js

    ResponderExcluir
  4. Olá JS muito obrigado pelo comentário.
    Ainda bem que gostou da pintura é de fato muito atrativa atendendo à época, o pintor(a) era como o meu amigo e esposa - mui criativos e alegres na utilização de cores claras e fortes.
    Nunca tinha visto nenhuma pintura semelhante, velas só em moinhos e numa pintura das primeiras décadas do século XX. O manganês nesta tonalidade só me recordo do ver em alguma loiça "ratinha"
    Bom fim de semana
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas