segunda-feira, 4 de junho de 2012

Pesos de rede e artefactos de ânfora

Apreciem  maravilhas do tempo romano (?)...Pesos de rede - bico e bocal de ânfora.
Sou uma perdida por  achados antigos em cerâmica.Um excelente preço - se fosse no Pedrinhas "upa upa"...só comprava uma peça e,...
Resgatados nas areias de Tróia. Achados deste calibre e mais testemunhos da actividade piscatória  em época romana, estão em  Museus, como:
 - Setúbal
- Alcácer do Sal, no Museu de Pedro Nunes: colecção de pesos, anzóis e agulhas de fazer e remendar   rede.
- Museu do Tejo em Constância
- Núcleo de Arqueologia da Arqueojovem de Vila Nova da Barquinha/Centro de Interpretação do Alto Ribatejo (Sr José Gomes) com achados em areeiros da chamusca.
- e,...

Existem pesos  mais recentes chamados - "Pandulho"  - utilizados até há poucas décadas atrás na pesca no interior do estuário do rio Tejo, segundo um dos poucos calafates ainda vivos na zona de Vila Franca que trabalhou numa das fábricas de telha na zona de Alhandra - era aí que, numa actividade clandestina, a partir de sobras de barro, se faziam os "pandulhos" que coziam juntamente com as fornadas de telha. Fácil entender que  na altura constituía uma economia clandestina paralela associada à comunidade piscatória. De facto, no estuário do Tejo encontra-se este material com bastante frequência, sobretudo entre materiais provenientes da actividade dos areeiros.Existe abundância também destas peças, muito idênticas na lagoa de Óbidos e, também existem no Mondego.

Nos espólios de pelos menos três centros oleiros de produção de ânforas foram encontrados pesos destinados à pesca à rede: na faixa atlântica na olaria do Morraçal da Ajuda - em Peniche e, os das olarias de ânforas romanas do Pinheiro e Abul, localizadas nas margens do Rio Sado.
Pertencem a dois momentos cronológicos diferentes, embora sejam idênticos:  discóides e paralelos em Alcácer de Sal com diacronias augusto-tiberianas e também outros do mesmo tipo geométrico  possuem cronologias que vão de Cláudio até aos finais do século II. As diacronias apresentadas, quer para o Morraçal, quer para o Pinheiro ou mesmo para a produção da olaria de Abul, são coincidentes, abrangendo, de uma forma geral, os dois primeiros séculos da nossa Era.
Foram encontrados pesos de rede do tipo discoidal  assim como paralelos com diacronias de época romana embora se tenha consciência da utilização ao longo dos séculos- de pesos de rede deste formato. Um encontrado em Tróia na margem do Sado, classificado como lusitano-romano, e que parece ser um possível paralelo.Nesta estação arqueológica sabe-se ser habitual encontrar-se, para além dos pesos de tipo disco, que são, normalmente em percentagem bastante diminuta, outros pesos de rede de forma geométrica fusiforme e que possuem um orifício perto do topo, portanto, descentralizado, achados que  levam a questionar a possibilidade destes pesos terem ou não origem em produções romanas (?). Segundo informação do meu amigo Rhodes Sérgio os romanos apresentam algumas concreções calcárias resultantes da prolongada deposição marítima - o que me parece muito lógico.
Curiosamente nas escavações de Conímbriga, foram exumados alguns testemunhos da pesca,como são o caso de anzóis em cobre e em ferro, os quais foram utilizados para a pesca com linha que se praticava, certamente, no Rio dos Mouros.
 Achados em Tróia "em forma de gota)"ou na costa algarvia com forma de "donut" São no entanto elementos mais pesados que os pandulhos.

Na banca onde os regateei tive a sorte de ouvir um cliente de frascos de tinta e de cola antigos para decorar a sua papelaria - atrai a clientela dizia-me ele - "as pessoas entram e não lhes escapam estes objetos antigos e distraídas até acabam por comprar..." dizia-me quando me viu interessada em tais achados marinhos..."tinha dos pesos iguais que ofereci ao Museu de Setúbal".