Faiança de Coimbra com andorinhas


     Peça rodada de forma circular com 31 cm de diâmetro atribuída a finais do século XIX, inicio de XX, faiança  em massa malegueira com buraquinhos no esmalte e arrepiados pelas impurezas da argila utilizada.

Prato covo acentuado de aba larga.Motivo central em reserva com flores em estampa onde o brique uma cor forte caraterística  da fábrica OAL nas 1ªs décadas do século XX  e também de Aveiro da fábrica de S. Roque .
Este prato de Coimbra usou vastamente a cor  verde ervilha inventada por Vandelli, e  manganês nos filetes finos no rebordo da aba e no limite do covo , salpicada por andorinhas azul cobalto.Comprado na feira de Azeitão, estado impecável. 
Adoro andorinhas...fazem lembrar a primavera!
Travessa patente  no Museu Machado de Castro
Na mesma decoração floral no brique atribuída a Coimbra a 1895.
O "Santo" estudou em Coimbra e daqui saiu para o mundo .
A cidade tem um culto Antonino muito grande.



Comentários

  1. TinaFeb 13, 2012 03:11 PM

    Estive olhando as postagens anteriores, peças belíssimas, delicadas e verdadeiras relíqueas
    bjs
    Tina (SONHAR E REALIZAR)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria Isabel
      Gosto muito deste prato. As andorinhas em azul, dão-lhe um ar muito ingénuo,autêntico.Farto-me de me repetir, mas é verdade, que aqui pelo norte não encontro peças tão bonitas.E quanto a preços nem se fala....
      Bjs e bom fim de semana

      Excluir
  2. Olá Maria Paula. Muito obrigada pelo seu comentário. Este prato viu-o numa banca perto de mim, pelo que me apercebi o vendedor vai entre as 5 e as 7 à feira da ladra fazer compras, depois aparece a polícia...vende mais em conta, faz circular a mercadoria, uma boa estratégia.
    Ontem vi na feira de Paço d'Arcos pratos deste tamanho em faiança a 200€,este custou apenas 10...
    Enriquece a minha parede da sala.

    O fim de semana foi ótimo.
    Boa semana para si.

    Beijos

    Isabel

    ResponderExcluir
  3. Boa noite

    Sou colecionador de peças antonianas e agora vejo que tenho uma travessa idêntica a essa que aqui expõe...não sabia que o MMC tinha uma igual...

    Cump.
    ET

    ResponderExcluir
  4. Seja bem vindo ao meu blog ET.
    Esta partilha é que nos engrandece. A travessa no Museu estando catalogada dá mote à origem do fabrico do prato que não é marcado pela policromia ser a mesma.
    Cumps
    Isabel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas