Espaço Museológico do Prof. Arnaldo Silva em Torre de Moncorvo

PARABÉNS!!!!
O seu espaço Museológico fez dois anos no sábado, não pude estar presente, acredito estar para o ano!
Autorizou-me a divulgar-lo...
Últimas reportagens:
http://www.fotonucleodourosuperior.net/
http://videos.sapo.pt/QDmNz96w405EVowzZRJK
http://noticiasdonordesteultimas.blogspot.com/2011/04/torre-de-moncorvo-projecto-de-arquivo.html

Roidinha de inveja....eheheh
Tanto que adorava assim ter um...Nem espaço, muito menos peças.
Glória maior à sua audácia, coragem , luta e visão.Só possível em gente de fibra,iniciativa, muita vontade, querer e determinação.
Grande homem, com "H" GRANDE
Arnaldo Silva e linda família que tem. Bem hajam pelo que todos juntos conseguiram!

Não posso deixar de referir que este mundo bloguista tem-me dado muitas alegrias e riqueza de conhecimento.
Antes o escrevi, e continuo a escrever,por aqui encontrei os melhores amigos da minha vida, incrível depois dos cinquenta, apesar de saber que nem sempre se pode agradar a todos, seja pelo jeito da escrita,da amostragem temática, não deixa de ser um conhecimento virtual da nossa personalidade, que muitos agoiram ser mais aberta, realista,noutros manhosa, falaciosa,irreverente, uma e outra sendo desprovida do conhecimento real pode de quando em vez ser geradora de equívocos. Mesmo assim, não me posso queixar, tal a diversidade de pessoas que travei amizade,idades e culturas diferentes da minha. Uma mais valia que não me canso de referir.
Bem hajam a todos por continuarem a visitar e a ensinar!
Um dos últimos amigos um Prof do ensino Básico, casado com um casal de filhos, lindíssimos, amante de fotografia por terras de Moncorvo.

Na verdade este seu espaço foi o culminar de um sonho com muitos anos. Sem ajudas, a não ser da sua mulher e filhos.

No seu dizer..."Aprecio a sua coleção de faiança e toda a sua pesquisa. Eu inicio esta
empreitada após a retirada de milhares de fragmentos encontrados no
meu espaço museológico em Torre de Moncorvo, Bragança. Das peças de
1580 até finais do Séc. XVIII, já vou dominando as características. As
mais recentes até 1950 ainda não percebo nada. E digo esta data porque
os fragmentos encontrados estavam sob uma placa colocada por cima de
um antigo quintal na referida data."

Trecho de um dos seus emails" vou continuar a chateá-la com esta minha nova aventura na faiança. Tenho visto o seu blog, e reparei que me chamou de amigo de Moncorvo e que nos visitava no Verão. Fiquei tão feliz..."

Deleitem-se com alguns exemplares sem qualquer ordem...
Algumas peças
Taça provavelmente de faiança Coimbrã,século XX, estampilhada,rebordo com cordão de pérolas em azul claro.Uma peça delicada. Nas últimas feiras andam duas peças do mesmo formato atribuídas a Coimbra, muito raras por serem de modelagem mais refinada, elegante que as palanganas, século XIX.
Prato com decoração a três contas na aba e no centro flores e espiral fechada. Pintado a azul claro, vinoso e manganês. Faiança de Coimbra, século XVIII?
De textura grosseira,malegueira se apresentar no tardoz buraquinhos e esmalte arrepiado. Nunca tinha visto exemplares de Coimbra com espirais fechadas, só abertas até à semana passada que na feira de Oeiras comprei uma palangana assim, pequena ratinho.
Malga com filete azul por dentro atribuída ao fabrico de uma fábrica do norte, talvez Gaia.
Fragmento prato covo, textura grosseira com flor ao centro em azul. Possivelmente faiança de Olivares, Espanha ou loiça conventual.
Fragmento de uma travessa, esmalte branco, apresenta uma bela marca no tardoz que desconheço e não vi no livro de José Queiroz
Fragmento de prato, massa grosseira,decoração com 3 contas em azul cobalto, azul claro e manganês, espiral fechada ao centro. Será Coimbra, século XVIII?
Belo exemplar de um prato com arabescos e folhagens pintado a um tom de azul claro.
Não conheço o tardoz, seria fácil atribuir este exemplar a Coimbra, pré ratinho do Brioso? ou do tempo que veio um pintor espanhol trabalhar para Coimbra e claro trouxe influências. século XVII?
Será este belo exemplar faiança Coimbra ou espanhola?
Só analisando a peça ao vivo.Carateristica desta loiça, esmalte branco láteo, que ao vivo reconheço bem.
No Museu de Arte Antiga existe um prato igual, apresenta no conjunto incluido um animal junto ao "olho" atribuído a faiança espanhola, será Talavera de la Reina?
Parte de um prato,textura grosseira.
Motivo de decoração tipo aranhões, faltando-lhe as pernas enroladas em caracol? Decoração a vinoso,no filete da aba e no corpo dos aranhões, apresenta tracinhos em fila, espiral ao centro fechada?, círculos à volta do prato em azul claro.
Estilo barroco.Será faiança pré ratinho,século XVII?
Prato em faiança portuguesa,fabrico atribuível a Lisboa.Pintado a azul e manganês sobre branco,tarja da aba rocaille, volutas ou enrolamentos em bandas concêntricas de decoração barroca,no centro falcoeiro,falcão e paisagem estilizada, leva a acreditar que seja do final do séc. XVII ou inícios do séc. XVIII, comparando-o com vários exemplares do Museu Nacional de Arte Antiga e patentes na obra Faiança Portuguesa, Roteiro Museu Nacional de Arte Antiga, Instituto Português de Museus, 2005.
Sendo que estes fragmentos foram encontrados em Torre de Moncorvo, lugar estratégico no norte do país,onde tanto aparecia faiança do norte, Coimbra e espanhola, o que facilmente se evidencia pelas recolhas já elaboradas e outras em jeito disso.
Sendo a faiança do norte a de maior número encontrada,loiça de uso comum, pratos rasos, sopa e malgas, pelo que me apercebi, o que é perfeitamente natural.

Mais uns trechos...

"Há tempos falou-me que retirava os cacos dos quintais na sua aldeia. Há dias, em Lamego, num terreno de familiares encontrei várias centenas . E que bonitos...

Está a despertar em mim esta paixão."

" e, depois de ler as postagens no seu blog, acredito imenso na sua irreverência. É uma mulher de armas."

"Está convidada e traga amigos e familiares.Sinto também a sua alegria ao ver os meus cacos. Este novo projecto está-me a dar tanto, mas tanto saber. Algum dia eu suporia aprender estas coisas? Sou-lhe franco, não. Mas agora, já tomei esta área como
o meu melhor passatempo."

Caro Arnaldo, eu é que agradeço de coração ter entrado em contato comigo e em ter partilhado as suas pesquisas.Jamais esquecerei o mérito, o empenho, sei que é corajoso e obstinado, será do signo Touro?

O bom amigo Arnaldo Silva ficou estarrecido...

"Grande post. Descritivo, real e emotivo. Só de quem organiza as ideias com clareza e sentido estético. Está muito bom,também com os comentários, agradeço desde já os parabéns que me foram endereçados".
Faz ainda uma alusão ao comentário da IF..."Gostei do comentário da sua amiga de Mogadouro. Terra de Trindade Coelho. Tenho um amigo historiador que recebeu, há dias, uma grande colecção de fotos dele de 1986. Uma relíquia. Um outro mostrou-me cartas do pai dele. Por estas bandas ainda nos vamos entusiasmando com estas evidências."

Comentários

  1. Interessantíssimo e valioso o espólio divulgado por este Coleccionador Transmontano a quem apresento os parabéns através do seu blog, na impossibilidade de o fazer pessoalmente.É invulgar acontecerem fenómenos destes em terras do interior, principalmente do interior tão profundo, como Moncorvo.Quisera eu que mais iniciativas destas acontecessem ...Também as minhas raízes se encontram em Mogadouro e Mirandela e nelas tenho um orgulho imenso. No último ano do curso (História) era obrigatório realizar um trabalho de campo. Evidentemente que o meu tinha que se centrar em Mogadouro. Os tempos agradáveis que passei na Biblioteca Nacional a consultar as Memórias Arqueológicas do Abade Baçal e a compulsar o Mensageiro de Bragança. Quantas vezes me "dispersei" a ler informações que não pertenciam ao tema em estudo, mas que tanto me diziam. Enfim, já lá vão umas dezenas de anos e não fiquei com nenhum exemplar. Que falta faziam as novas tecnologias.Fiz o levantamento arqueológico do concelho de Mogadouro e entreguei o relatório ao saudoso D. Fernando de Almeida, professor e orientador do trabalho.Ainda hoje, sempre que se proporciona, faço de guia turística pelos locais mais marcantes.
    Mais uma vez os parabéns, quer à autora do texto,quer ao coleccionador de Moncorvo.
    Cumprimentos
    if.

    ResponderExcluir
  2. Cara IF, muito obrigada pelo seu comentário.
    De facto é de louvar um espaço particular criado por esta família de Torre de Moncorvo.

    Irei acrescentar no post o convite que o próprio me fez" traga amigos e familiares."

    Sendo uma mulher do norte,de Mogadouro, conhecedora de história e uma excelente conhecedora de faiança, nomeadamente de Ratinho, além de outras,será um gosto visitar o espaço, acredito que o Arnaldo e a sua família a receberão de braços abertos.

    Bem haja pela continuidade.
    Um abraço
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. Olá Maria Isabel,
    Os meus parabéns ao dono deste espaço e família e também a si pelo post que tão bem o divulgou, ao mostrar estes belos fragmentos das nossas faianças
    mais antigas.
    É o sonho de qualquer um(a) de nós, amantes de velharias e de faianças em particular, que até gostamos de guardar os caquinhos de pratos e de azulejos, poder algum dia encontrar no quintal restos arqueológicos tão importantes, como foi o caso destes seus amigos de Torre de Moncorvo.
    Vêem-se aqui fragmentos de invulgares pratos de contas, um de rendas, um conventual e para mim a "jóia da coroa",o último com a figura de falcoeiro, certamente Lisboa séc. XVII.
    É realmente um espólio a preservar e a estudar, felizmente estes apreciadores transmontanos deram-lhe o devido valor e já lhe arranjaram um espaço condigno.
    Adorei ver! Muito obrigada a si e a eles.
    Beijos
    Maria A.

    ResponderExcluir
  4. Ola Isabel

    Eu cheguei a enviar o comentário?
    Era não me lembro....

    flávio

    ResponderExcluir
  5. Olá Maria Andrade. Muito obrigada pelo seu comentário.
    De facto este amigo de Torre de Moncorvo teve uma sorte nos achados e no espaço, apesar de trabalho e despesa, conseguiu sozinho ergue-lo com a ajuda dos filhos e esposa. Por isso está de Parabéns, pela vontade e muito querer.
    Nas suas visitas a terras de Moncorvo não se esqueça de o procurar para visitar, apesar de particular, a afabilidade das pessoas é notória.
    Pena que os meus caquinhos são tão pequeninos, tantas as vezes que são mexidos e remexidos no quintal com o trator e enxadas...
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  6. Caro Flávio
    Lamento dizer-lhe...não recebi o seu comentário. Contudo gostei de o rever a si, arredado que andava deste meio bloguista.
    Um abraço
    Isabel

    ResponderExcluir
  7. Pronto então perdi-o..
    Dizia que gostei muito da sua mensagem inicial dos "blogueiros", e do museu! Ideia fantastica, muito bem!

    Quero dizer que estive em Arganil, e em Pampilhosa, em Ansião.. Andei por ali, e lembrei-me de si durante a viajem.

    Eu como sou de Leiria vou pela A8 - IP3 - IC8.. A Isabel tinha-me perguntado á uns tempos se eu ia pelo IC6 mas por ia acho que não vou..

    Adorei pampilhosa! é lindo aqui! arganil é muito bonito tambem, mas mt rural ainda..

    Flávio

    ResponderExcluir
  8. Ahahah

    Já a Maria Andrade disse que há mt que não actualizava o blog... A Maria Isabel diz a mesma coisa =D

    Será que há mais Marias por aqui??? =D

    Flávio

    ResponderExcluir
  9. Olá Flávio. Adorei o seu comentário. Ainda tão jovem, podia ser meu filho...quase netinho eheheh
    Imagine que a minha única filha tem 29 anos e eu casei vai fazer este ano 33 anos...já não se usa uma coisa destas...cena de museu...

    Gosto dessa sua irreverente juventude
    Gosto de partilhar experiências com gente de todas as idades, isso faz-me sorrir, crescer e gostar mais de mim e dos outros.

    Temos elos comuns: o prazer das velharias
    das viagens, de conhecer a paisagem do pinhal interior e ainda de nos lembrarmos de pessoas que sabemos que tem raízes nelas.

    A talhe de conversa devo dizer que acabei de escrever um livro de memórias, no final fiz um roteiro pelo nosso Portugal à medida que a minha memória me dava os palpites, nele fui introduzindo os amigos virtuais, especiais para mim, alguns já conheço,claro que você também lá consta ,"tomamos café numa esplanada na baía de S.Martinho do Porto"...o problema é que nunca estará terminado, tais os amigos bons que vou por aqui conhecendo.

    Como se foi lembrar de mim ao passar no IC 8, só de si, com tanta coisa boa para pensar. Claro que fiquei estarrecida. Temos de trocar contatos, quando lá voltar e eu por lá estiver, havemos de nos conhecer, pois então!

    Eu conheço praticamente o nosso Portugal a nível de pormenor. Em agosto frequento as praias fluviais de Pedrogão Grande, Figueiró dos Vinhos, faço piqueniques, tomo uma bela sesta debaixo de uma sombra, reparo sempre na paisagem, no património e nas pessoas.

    Bem , chega de arrozar...
    Fique bem, boas compras e bons passeios
    Um abraço
    Isabel

    ResponderExcluir
  10. Ahah ri-me imenso com o seu post XP

    Avo, ahahahah

    Então e nunca veio á Marinha Grande??
    Ou a Leiria??


    Nós não tomamos café na baia xD ahahah mas haveremos de tomar! Estou lá para a semana!

    Os meus pais sempre gostaram imenso de viajar, de modo que sempre gostei de conhecer coisas e pessoas..

    Aos 4 anos ia para o Alentejo e Beja.. Confesso que nunca fui muito para o norte.. Ja fui a Viana do Castelo, vou mt a Viseu e São Pedro do Sul... Mas não mais que isso...

    Este ano não sei onde vamos passar férias pois a minha madrinha casa-se sábado (o que já estragou os planos) =D

    Lembrei-me de si quando estava em Ansião...

    (Tenho uma rapariga na minha turma que é de lá...)

    Não estará terminado porque??

    Esse é só o volume 1 de 80! =DDD

    Flávio

    ResponderExcluir
  11. Amiga! que vontade de estar ali...ver tudo de pertinho...ai, ai! estou suspirando!
    Vi seu comentário no meu cantinho, rsrsrs não servi o cafézinho em chávenas de porcelana porque estou no meu cantinho na roça rsrsrs por isso preferi as esmaltadas rsrs
    beijinho amiga
    Tina (MEU CANTINHO NA ROÇA)

    ResponderExcluir
  12. Obrigada Tina pelo seu comentário.
    Uma forma fácil de enriquecer o conhecimento é a partilha da informação como por aqui se faz gratuitamente.

    Amei a cena dos púcaros de esmalte...pois claro só podia ser!
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  13. Olá Maria Isabel!
    Cá estou eu, depois de andar "mergulhada", em assuntos que se dizem escolares, mas que de pedagógicos nada têm! :) Bem, mas agora mais liberta (que optimista!!), arranjei algum tempo para ir pondo a escrita em dia :)

    São fantásticos os fragmentos de faiança, encontrados! Ainda bem que foram encontrados por quem os soube valorizar e preservar.
    Todos os fragmentos, deixam adivinhar peças que terão sido de grande beleza, mas o último, decorado com o falcoeiro, é o meu preferido.
    Um abraço
    Maria Paula

    ResponderExcluir
  14. Olá Maria Paula. Muito obrigada pelo seu comentário. Sem dúvida uma mais valia este achado e tão bem preservado que está pelo seu colega Prof. Arnaldo Silva, tendo amigos arqueólogos, pouco ou nada o ajudaram, um até lhe disse que não tinha tempo...
    Vivesse eu ai no norte teria todo o gosto em ter ajudado, se teria!
    Quando for passear por Torre de Moncorvo, mesmo no centro deve encontrar este espaço museológico que tem outra vertente que a si lhe é muito querida, a fotografia.
    O Prof Arnaldo Silva,a esposa Educadora de Infância e dois filhos, lindos amantes de música,a receberão de mãos abertas, ficará rendida pelo acolhimento, disso não tenho quaisquer dúvidas.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas