Prato de Rocha Soares Miragaia (?)

No sábado na feira da ladra encontrei este prato numa pilha deles cheios de pó. 
Possivelmente décadas arrumados num sótão.
Tardoz com "gatos" fabrico finais do século XIX.
Faiança moldada em esmalte estanífero sobre fundo azul e decoração pintada a azul safra, verde e, amarelo. Peça circular em faiança  de covo acentuado, aba estreita levantada recortada em oito secções no rebordo em chaveta com flores e filetes a azul e amarelo. Ao centro apresenta uma dupla em silva de folhas ondulantes - uma a amarelo sobre outra em azul em espinha.
Fabrico norte-, pelo recorte a tesoura, as flores miúdas foram muito pintadas por Miragaia e mais tarde a Vista Alegre fez conjuntos semelhantes.

Par de pratos iguais marcados ROCHA SOARES MIRAGAIA

Comentários

  1. Olá Maria Isabel
    Já vi que este fim de semana andamos todos muito activos pelas feiras de velharias. Pela parte que me toca, fui à de Ponte de Lima, pela primeira vez, e fiquei rendida. Superior à de Braga em tudo, em tamanho e preços óptimos.
    Realizei-me :) Comprei duas peças em cantão popular,algo diferente do habitual (julgo eu) e claro que as mostrarei brevemente.

    O lote que comprou é estupendo,e o preço autêntica pechincha.
    Gosto particularmente da travessa.
    Na net, anda à venda um prato igual a este que aqui mostra. Nem calcula o preço :)
    As chávenas são de Sacavém?
    Beijinhos
    Maria Paula

    ResponderExcluir
  2. Olá Maria Isabel,
    Do seu lote, o que me agradou mais foi a travessa... mas o resto saiu-lhe de graça!
    O prato deve ser artesanato de Viana do Castelo, que é bastante caro, e embora com gatos é uma bonita peça decorativa.
    Sempre a descobrir belas peças por preços ótimos!
    E isto dá muito gozo, sem dúvida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá Maria Paula e Maria Andrade

    Com todo o respeito responderei às duas em simultâneo porque assim acho mais prático e não me repito.
    Muito obrigada pelos vossos caros comentários .

    Maria Paula pela dica do prato igual ao meu?...vou já ver.

    Comprei as chávenas para pendurar numa prateleira que comprei noutra feira. Na parte de cima vou pôr candeeiros a petróleo, em baixo pratos e nos camarões as chávenas para as mostrar suspensas. O copo é de cristal, os da casa rural da sala, são iguais, e partem-se porque são lavados à torneira.

    A travessa de cantão popular não a podia lá deixar. Tem um brilho fabuloso. Interessante é a falta de esmalte que se nota a toda a volta. Possivelmente esteve sempre com outra que encaixaria por cima,fizesse batente no põe e tira...e claro gastou-a. Já a retoquei no meu jeito, um dia destes a postarei.

    De facto é muito estimulante a procura, a conversa, o passeio e muitas vezes o almoço num restaurante típico tipo tasca, o dono minhoto , a família toda ali trabalha.Faz uma aletria com aspeto delicioso, ainda não provei,tudo é caseiro. Come-se bem e em conta, ainda dois dedos de conversa com vendedores a quem habitualmente compramos.
    Claro, quando gastamos mais do que a conta viemos de volta e comemos em casa, também é giro porque não cumprimos horários.

    Neste sábado tive o prazer de convidar a minha filha e o namorado que almoçaram connosco. De volta de sacos na mão descansámos no cais das colunas, tipo turistas a olhar o Tejo. Depois não resisti a olhar para o chão remexido das obras e trouxe coisa de um quilo de caquinhos de azulejos, porcelana chinesa, sacavém.

    Foi um sábado extraordinário.

    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas