Faiança variada de Coimbra

Mais um post sobre a faiança variada de Coimbra.

Lindo prato de Coimbra, comprado em Setúbal ao Sr António (GNR). Bem regateado, há qualquer coisa nele de fantástico.
Ao centro vaso com flores em policromia limitado ao covo por duplo filetes finos em verde ervilha, a aba com cercadura floral em policromia.
Herança do meu marido da sua avó Rosa.
Bacia e gomil, século XIX.
Estampagem por decalque em cor monocromática azul.
O meu sogro quando nasceu foi nela lavado.
Pequeno prato era da minha irmã que mo deu quando mudou para a sua casa futurista restilo minimalista.
Já aqui contei, tinha um carteiro que os comprava às velhotas no giro da entrega das cartas e dos vales da reforma e a ela ofereceu como "paga" pela compreensão e faltas ao serviço pelas muitas deslocações com um seu filho com leucemia aos tratamentos em Coimbra. No melhor, o miúdo salvou-se.
Decoração a estampa floral em cor monocromática vermelha  ao centro e na aba. Ao limite do covo duplo filete azul claro e no rebordo.
Este  veio de uma pensão que existia em Castanheira de Pêra onde a minha mãe ficava quando ia trabalhar nos Correios.Dizia ela que o salão tinha as paredes repletas de pratos. A dona deu-lhe dois exemplares, este é o meu, o outro foi para a minha irmã. 
Decoração delicada ao centro  envolta em dois círculos com flores em cor monocromática azul claro e na  bordadura com filete fino no inicio da aba e no rebordo recortado, uma caraterística de Coimbra na fábrica das Lages e,...
Este comprei-o à anos em Estremoz a um "cigano" tem um "cabelo". O prato ao centro apresenta um grande ramo floral em policromia, delimitado no covo por fino filete escuro e a aba por cercadura floral em vermelho, vastamente pintado em Coimbra.
Travessa oitava empenada, devido à temperatura da cozedura. 
Motivo central floral com flores finamente pintadas em vermelho com folhagem verde.A aba com cercadura floral em azul claro.
Pintura fina e bordadura azul em estampa na aba.
Taça com  motivo central floral  em policromia cromática, aba com cercadura em azul e ao meio do rebordo duplo filete fino em manganês
Graciosa

Comentários

  1. Cara Isa
    Pratos lindos, como sempre.
    Também vi, no miau, o prato que refere. Vontade em licitar, não me faltou, mas como já tinha ultrapassado a verba que imponho a mim mesma,para estes gastos, não o fiz. Mas fartei-me de o olhar,e cobiçar.Qualquer dia, tal como aconteceu com a Isa, ainda hei-de encontrar uns parecidos.
    Gosto muito da peça de madeira que coroa os três pratos.
    Beijos para si
    Maria Paula

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Maria Paula pelo seu comentário.
    Esta peça faz parte de um móvel que tenho cá em casa de canto e logo o aproveitei para o colocar na parede que fica por trás da porta do salão da minha casa de província , abaixo dos pratinhos pus um lindo painel de felpo, artesanato de Nisa.Hei-de aqui um dia destes postar.
    Uma vez que gosta do motivo "corações"quando encontrar algum compro para lhe oferecer. Motivo raro. Por acaso encontrei uma aneleira muito pequenina da viúva Alberto Oliveira de Coimbra com 2 corações ao centro e bordadura de florzinhas de várias cores que ofereci à Marília.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. disse...
    Gostei muito das suas peças

    Encantei-me sobretudo com a bacia e gomil do século XIX. Que estampado delicado e bonito. Não tem marca?

    Beijos

    Luís

    ResponderExcluir
  5. Olá Luís
    Obrigado pelo seu comentário.
    As minhas peças de Coimbra infelizmente nenhuma tem marca. Tem afinidades na textura da massa malegueira com buraquinhos. As mais antigas tem o dom de ter sido talhadas à cana
    (o oleiro fazia-as com a ajuda de uma cana rachada tipo canivete que no caso confere às peças uma identificação única, "o assento da peça" um rebordo direito de quina viva usado até meados do século XIX
    "Assento da peça em redondo" usados à posterior, como o caso da peça que tanto gostou, da bacia e do gomil, que deverão ser de 1860? O meu sogro foi lavado nela em 1929, ora a peça já era de família, a mãe dele casou já entradota na idade. O resto são suposições.

    Também gosto imenso dela, lá estão os azuis delicados
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  6. realmente não me canso de olhar para a peça

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas