Miscelânea de faiança de fábricas de Aveiro.

Apresento várias peças em faiança com os típicos esponjados feitos com esponja  do mar  em pintura solta ou comprimida a esponja para fazer pequenos círculos .Também com motivos florais, riscas,campestres, galos e o mítico cantão popular.
Rebordos  esponjados com bicos em azul, castanho ou rosa.
Fabrico dos meados do século XX.
Pratinhos minúsculos
Motivo floral em policromia rosa azul, amarelo preto, com rebordos de bicos, em cima castanho e em baixo azul-
Com decoração policromada do galo ao centro em ocre, vermelho e preto, sob rodapé com pinceladas em verde. Ao limite do covo três filetes; um mais largo em lilás seguido de dois finos pretos. A aba debroada com os tradicionais bicos em azul. Atribuição segura a AVEIRO
Travessa quinada com rebordo em bicos azul  decorada nas abasa com motivos florais.Ao centro um expetacular galo em policromia ocre , vermelho e preto, sob rodapé com pinceladas em verde.
AVEIRO
Prato de grande dimensão.Inclino-me muito para ser faiança de uma das muitas fábricas de Aveiro.As flores em jeito de amor perfeito ou corações em policromia com folhagem, foram típicos na pintura de Aradas. Ao limite do covo um largo filete rosa seguido de um fino em preto. Contudo o esponjado que ornamenta o rebordo é muito bonito, e raro.

Pratinho esponjado em policromia com as duas tecnicas do uso da esponja, gentilmente me foi oferecido pela Marília de Almeirim. Fabrico de Aveiro, S Roque usou este ocre no cantão popular?
Curiosamente tem os bicos em castanho, fugindo ao tradicional azul.

Em miúda quando ia às tabernas chamar o meu pai, via estas pequenas travessas com carapaus e sardinhas com molho de escabeche,outras com iscas e ainda bolinhos de bacalhau.
Motivo floral ao centro muito bonito e o mesmo dos bicos a cheio, também mais raro.
Fabrico de Aveiro(?)
Travessa com esponjados em policromia;ocre, roda e verde seco. O rebordo com esponjado azul.

Travessa oval,listada em policromia com bicos em rosa forte


Travessa oval de aba golada com esponjados no uso das duas técnicas, com rebordo azul também esponjado.O tardoz apresenta frete, uma caraterística da faiança de Aveiro.

Faiança  com ligeiro covo com decoração  esponjada  na aba no uso das duas técnicas em policromia ; ocre, verde, vermelho, azul delimitada por filetes em preto no limite do covo e por filete largo amarelo seguido de filete preto ao limite do rebordo. Carateristicas da pintura de Aveiro

Impecável. Este motivo faz lembrar "casario com bandeiras" imortalizado na pintura de Coimbra e Vilar de Mouros. Ao centro o prato apresenta a decoração de casario com duas torres com bandeirolas, pelo céu nuvens,  ladeado por arvoredo e arbustos em policromia;amarelo forte, vermelho, preto, verde, azul e rosa. Em rodapé um caminho em amarelo debruado a preto ladeado por campo em verde.No limite do covo dois filetes finos a preto. O rebordo com os tradicionais bicos em azul.Possível fabrico de Aradas S. Roque pelo circulo pequeno depois do frete, uma carateristica desta fábrica.
Prato com flores e ramagens ao centro em policromia;amarelo, lilás , rosa,verde e castanho. Ao limite do covo fino filete azul A aba decorada com par de corações em vermelho, trespassado. O rebordo com os bicos a cheio em azul.
Travessa oitavada com ligeiro covo em faiança anos 40/50, menos usual com  motivo central floral muito gracioso.Esta estava pendurada na parede, foi-me roubada de uma casa...
Motivo floral gracioso em policromia;amarelo, azul celeste, rosa, lilás, verde. O rebordo com esponjado em azul.



Bacia de lavatório vi à venda em Azeitão de fabrico  mais recente

Adorei a bordadura a estampa em azul.
Ao centro apresenta um casario, e atrás um moinho, ladeado de arvoredo sob rodapé esponjado em policromia; amarelo, vermelho, preto e verde
Prato muito usado, restaurei-o como pude.
Prato delimitado na aba  por filetes finos decorado com bolinhas em cor monocromática em castanho.
Sob o rebordo tarjeta que reforça a cor. Dos últimos de S Roque.
Prato fundo também de S.Roque com grande flor ao centro amarela  com duas folhas, centrada por circulo de grinalda em verde, azul e lilás. A aba com esponjado lilás.
Cantão popular em amarelo ocre e preto em detrimento do habitual em azul
Contraste do cantão popular em azul
Outro modelo
Os mais recente em que o pagode se mostra uma pequena casa.
Na zona de Aveiro haviam muitas olarias de cariz familiar, onde além dos homens e mulheres as crianças também trabalhavam, este parece mesmo que saiu das mãos de uma, pela tamanha ingenuidade...

Espero que tenham gostado!

Comentários

  1. Tal como a Maria Isabel, partilho um gosto pelos esponjados. Há tanta variedade e nunca são caros.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Luís, obrigado pelo seu comentário
    Assim é, são muito em conta e decorativos.
    Como expliquei fazem parte da minha meninice.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. OLá, há muito que acompanho o seu blog, por tb ser um admirador de faiança tradicional. Aqui na nossa região (Aveiro) em Aradas os esponjados eram muito usuais...
    Podem ver um artesão desse tempo ainda a pintar, neste link do youtube: http://www.youtube.com/watch?v=r3MD1J7RYPw
    Espero que gostem, cumprimentos, jsaraiva

    ResponderExcluir
  4. Obrigado J. Saraiva pelo seu comentário.
    Maravilhoso a partilha de informação desinteressada, livre, espontânea que neste meio virtual vai acontecendo.
    Adorei.Júbilo maior o romper com a zona de conforto...Sou da brincadeira, não leve a sério. Uma pitadinha de humor faz-nos bem, enriquece o comentário e num dia de chuva feio como o de hoje transforma-se numa pequena e modesta alegria.
    Espero que apareça mais vezes, o seu contributo será por certo sempre oportuno, pois a crítica desde que construtiva é muito saudável.
    Bem haja
    Um abraço
    Isabel

    ResponderExcluir
  5. Olá Isa
    Hoje venho cá, não tanto para falar das suas peças, mas antes para lhe agradecer, o gesto nobre que teve ao desistir de um negócio por minha causa. Acredita, que quando li o que escreveu, no blog da Marília, fiquei feliz por um lado, pois confirmei (como se fosse preciso) a lealdade e generosidade do seu carácter, mas ao mesmo tempo triste, por lhe ter causado essa privação.Acredite, que se estivesse nas minhas mãos, o controlo da situação, nunca tal teria permitido.
    E agora,mesmo desviando-me da intenção inicial, deste comentário,digo-lhe que, não sendo eu, à partida amante dos esponjados, começo agora a olhar para eles de outra maneira, ou seja, a achar-lhes um certo encanto :) está a ver no que isto vai dar, não está ? :)É que juntamente com a salva de aguardente, recebi também uma pequena bacia com decoração esponjada...Tudo se conjuga:)

    Os dois pratos que apresenta com casario, são muito bonitos. Creio, que nunca os tinha visto, por aqui.
    Beijos
    Maria Paula

    ResponderExcluir
  6. brigada Maria Paula pelo seu lindo comentário.
    Não sou ambiciosa, tenho muito prazer em saber que as pessoas que considero amigas tem consigo tesouros que poderiam ser meus,ao estarem nas suas casas,satisfaz-me o gosto em saber que partilhamos afinidades de peças do mesmo género, no caso de não a ter não me provoca nenhum transtorno. Sei que está numa linda casa e será por certo bem admirada por quem lá vive.Nem de propósito vi outra sua licitação um pratão com flores muito bonito. Apenas revela o que já disse, temos gostos peculiares,outros escondidos que renascem com um olhar diferente ao nosso estar habitual. Esta partilha de saberes e de amizade tem sido maravilhosa.
    Bem haja
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  7. algumas peças me lembram outras que tenho, fabricadas aqui no Brasil. Adoro as faianças, principalmente as mais simples, quase toscas, com a decoração meio ingênua.
    abraços!

    ResponderExcluir
  8. Obrigado Fábio pelo seu comentário.
    Que bom sentir que tem peças semelhantes ás minhas.Compactuo consigo que no que refere ao particular gosto , simples, toscas e de decoração meio ingénua. Exactamente, são as mais interessantes porque são a verdadeira obra do artista. Após essa época copiou-se a estampagem que se fazia na loiça em Inglaterra e se começou a perder a originalidade dos artistas.
    Volte sempre
    Abraços
    Isabel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas