Amostragem variada do nosso Cantão Popular


Comprei-a neste último sábado na feira-da-ladra, foi a Marília que a descobriu na banca, tive um bom desconto por sua intermediação.
Vai embelezar a minha chaminé na casa de província onde acabei por reunir a minha pequena colecção. Pela espiral no berlicoque da tampa pode ser fabrico de Coimbra (?)

Um pormenor com uma azeitoneira gomada e dois pratos.
Na quina do balcão 2 alcatruzes, quem se lembra deles ainda nas noras?
Na abertura do balcão a luz do candeeiro grande da minha cozinha.Gosto particularmente deste recanto, que dá à casa uma bivalência intimista de partilha com as pessoas que estão à lareira e as que estão na cozinha.
Nesta parede uma travessa quinada, a minha peça de cantão popular mais antiga, o Luís tem uma muito parecida com ela. Prato e travessa de S.Roque Aradas.


Esta linda taça é pertença do seguidor deste blog Luís M que gentilmente a enviou para enriquecer o post sobre o cantão popular, marcada S. Roque Aveiro.

A minha chaminé a contar de cima o prato marcado da fábrica Lusitânia, ao meio uma travessa oval pintada num tom de azul mais escuro, muito raro aparecer nas feiras, esta tonalidade, não é a minha favorita, pratos e tacinhas, uma pequena azeitoneira. No rebordo de madeira da lareira uma malga julgo século XIX possivelmente de Gaia, um covilhete em loiça azul chinesa, ainda uma caneca inglesa e uma malga mais recente.
Outra panorâmica da chaminé e da sua envolvente.

Prato sem marca encantador pelo desenho minimalista estratificado do Cantão, muito raro aparecer nas feiras.
Gosto em particular desta versão de cantão popular-, muito minimalista, contemporâneo, que se atribui a erradamente a Miragaia (?), que também pintou este motivo, mas muitas outras fábricas também.

  • Este prato é da fábrica "Cavaco" marcado com 15 cm de diâmetro.

Prato foi-me oferecido pela Marília é da fábrica "Pinheira" na zona de Aveiro. 
Curiosamente este motivo é copiado não de um prato chinês mas sim de outra fábrica do norte, Miragaia. As bolinhas em arco foram pintadas em tons azul mais claro por Miragaia.

Este prato é pertença de um seguidor deste blog Luis M que amavelmente enviou fotos para enriquecer este post sobre o motivo cantão popular. Assinado Cavaco - Gaia da mesma época que o meu pequenino, este tem um diâmetro de 28,5 cm




Este prato comprei-o na feira de Belém . Pela textura da massa parece ser de fabrico do inicio do século XIX. Atribuo fabrico a faiança de Coimbra ou Caminha (?)Interessante é quando olhei para ele, algo me prendeu à atenção!
Primeiro a bordadura , algo estranha geralmente em flores e rendas, aqui em rabiscos tipo "L" invertidos e traços direitos.
O motivo central numa imaginação de um pagode com traços a imitar os templos romanos. O salgueiro em esponjados ligeiramente inclinado típico da pintura Coimbrã
As pombinhas tipo "C"
Fabrico início século XIX .A cor do azul alecrim e o esmalte cor de grão entram na decoração de Coimbrã e também na de Caminho.

Comentários

  1. Olá Isa
    Ampliei uma das suas fotografias e perdi o comentário grr :(
    Estava a dizer-lhe que o que nos mostra é um fascínio.
    Gosto de casas assim,intimistas decoradas pelos seus donos, em que se percebe que aqueles objectos ali estão, porque, ou têm uma história para contar, ou simplesmente, os seus donos se perderam de amores por eles, não lhes conseguindo resistir.
    As decorações a metro, o ter por ter, ou o ter que seguir tendências desolam-me.
    Gosto também muito do recanto que refere e que nos deixa ver. Acho uma opção óptima.
    Quanto aos pratos e outra peças a Isa já sabe, que os acho lindos, lindos, tanto que já comprei uns pratos, porque vi uns seus, perdi-me de amores e na primeira oportunidade que tive comprei uns. Já lhe falei neles.
    Beijos para si e uma boa semana , que se adivinha complicada para os Lisboetas :)
    Maria Paula

    ResponderExcluir
  2. Cara Maria Isabel

    Esta comunidade de bloguers, que aqui aos poucos se vai formando é muito útil. Imagine que tenho um jarro cantão popular muitíssimo semelhante ao seu e o que é mais engraçado é que nunca me passou pela cabeça que tivesse tido uma tampa!

    Percebo agora que o meu exemplar está incompleto.

    Fui tb ver ao intinerário da faiança do Porto e Gaia publicado peo Museu Nacional de Soares dos Reis e de facto o nome correcto para o que eu chamava jarro é realmente infusa e servia quer para o vinho, quer para o leite.

    Só foi pena não ter publicado mais umas imagens, tiradas de outros angulos da referida infusa

    Beijos

    Luís

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Maria Paula pelo seu comentário.
    Pois, a casa é a minha de província, onde achei por bem reunir a maior parte das peças de cantão popular, na sala da lareira, a infusa irá para lá.
    Concordo consigo com o que diz, tudo o que compro é por paixão, gosto de admirar, tocar, sentir que estou sempre ao seu redor, é o meu mundo, Por isso as minhas 3 casas tem o mesmo ar de "antigo".
    Hei-de fazer um post só com peças da fábrica Outeiro de Águeda, para poder apreciar a variedade, tenho algumas. Por certo irá deliciar-se, até já comprou 2 pratos.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  4. Olá Luís
    Obrigado pelo seu comentário.
    De facto lá por Ansião sempre chamámos ás jarras de vinho infusas.Trata-se de um termo típico ainda usual.Vou desempacota-la para tirar mais fotos e poder analisar melhor.
    Que bom saber que também tem uma, pena lhe faltar a tampa. Na mesma feira ainda vi uma de Sacavém do mesmo formato, bojuda e com a mesma tampa com uma decoração de bois a arrastar na areia,por trás dizia recordação da Ericeira.
    As feiras são e serão sempre um fascínio, cada dia se encontram preciosidades.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  5. Olá Maria Isabel,
    Realmente, com uma colecção dessas de pratos e travessas cantão popular, não podia deixar de trazer pra casa esse magnífico jarro ou infusa. Deve ter custado uma nota, mas às vezes, "mais vale um gosto q dois vinténs" e lá vamos trazendo mais um tesourinho connosco.
    Tenho um desse formato, com tampa e tudo, mas é branco sujo de Sacavém, sem decoração. Tem uma marca muito diferente usada por Sacavém q é uma espécie de flor muito geométrica, a lembrar uma roda dentada em verde, não sei se conhece.
    Parabéns por mais esta aquisição.
    Ah é verdade, o último prato também é muito curioso, muito original, nunca vi nenhum parecido.
    Beijos
    Maria A.

    ResponderExcluir
  6. Olá Maria Andrade. Obrigada pelo seu comentário.
    Julgo que com a intermediação da Marília dei pela infusa que queria 10€, esse valor e ainda trouxe umas minúsculas floreiras que hei-de aqui postar.Tem umas esbeiçadelas, mas encantou-me.Nessa feira vi também uma de igual formato de Sacavém com tampa, incrível, igual à sua.
    Olho clínico, reparou no último prato, de facto é curioso.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  7. A infusa é um encanto Maria Isabel.
    Gostei francamente dela e, fosse eu, também a não deixaria ficar lá, por sorte para si não fui à Feira da Ladra no última Sábado :) senão ...
    Ainda bem que ficou a recato na sua mão!
    Eram peças muito importantes nas nossas aldeias, e todas as casas as possuíam, sobretudo para o vinho, que vinha para a mesa dentro delas, tirado directamente do pipo!
    Manel

    ResponderExcluir
  8. Obrigado Manel pelo seu comentário.
    É verdade, tantas parti nas tropelias a caminho da loja, a saltar, a correr, batia com elas e as partia.
    Mais uma peça para enriquecer as outras de cantão popular.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  9. Obrigado pelas fotos da nova estrela da sua colecção de cantão popular

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. :-(

    Tou triste...escrevi um comentario aqui neste post à dois dias atraz e ele pelos vistos foi-se e nunca apareceu....agora ja não da tempo a hora de almoço está a acabar, mas logo à noite volto para escrever tudinho outra vez...
    ...beijinho Isabel

    Marília Marques

    ResponderExcluir
  11. Bem!!! Já escrevi mais um que desapareceu....estou furiosa!!!
    Tudo isto para dizer que a infusa é lindissima e que antes da Maria Isabel eu não conhecia este termo - "infusa" - para mim eram jarros com ou sem tampa!!! Obrigado minha querida por estar aí desse lado e por nos ir ensinado e mostrando coisas lindas!!!

    Marília Marques

    P.S.:Pode ser que agora dê para publicar ... grrrr

    ResponderExcluir
  12. Estou encantado com seu blog, que conheci por causa das infusas, e do blog do LuisY.
    Vou seguir para não perder nada!
    abs
    Fábio
    Brasil

    ResponderExcluir
  13. Obrigado Fábio pelo seu comentário.
    Que bom ter a opinião de um fã do outro lado do oceano que nos une, o Atlântico.

    Amei saber
    Abraços
    Isabel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas